EMBRATUR

O Brasil está pronto para receber a Rio 2016, afirma Lummertz

por — publicado 14/03/2016 00h00,
última modificação 14/03/2016 12h10

Presidente da Embratur concedeu entrevista à ITB Berlim News destacando a preparação para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos

O Brasil sediará a 1ª Olimpíada e Paralimpíada da América do Sul, marco importante para o continente e para o movimento olímpico. A estimativa é que entre 350 e 500 mil visitantes do exterior passem pelo País, antes, durante e depois dos Jogos Rio 2016.

Entrevistado pela ITB Berlin News, o presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Vinícius Lummertz, afirmou: “O País superou grandes desafios e está pronto para receber os Jogos Olímpicos e Paralímpicos”. Segundo Lummertz, o Brasil segue o cronograma da organização em função das experiências em grandes eventos que ocorreram nos últimos anos, como a Rio+20 e a Copa do Mundo.

Confira a entrevista na íntegra:

O Brasil possui algum diferencial para realizar as Olimpíadas? Qual?

Os Jogos Olímpicos estarão espalhados por todo o Rio de Janeiro, que possui diversos cartões postais para que atletas e turistas tenham o privilégio de desfrutar da Olimpíada interagindo com a paisagem como em nenhuma outra cidade. Desde a década de 20, o Brasil participa de Olimpíadas em todos os cantos do planeta. Chegou a nossa vez e saberemos cumprir com nossos encargos. Os visitantes poderão conhecer a diversidade da oferta do turismo brasileiro e praticar atividades culturais, de ecoturismo e aventura, sol e praia, e esportes nos mais diferentes destinos do País. A cidade maravilhosa será a porta de entrada nas Olimpíadas, mas trabalharemos para que turistas do mundo inteiro conheçam outras cidades brasileiras. Vamos mostrar o significado do Brasil para o mundo.

Quais são as estratégias da Embratur para que as Olimpíadas sejam um sucesso e atraiam turistas do mundo todo?

Os grandes eventos são oportunidades únicas de entrada do País diante da grande competitividade do setor no mercado internacional. Desde que o Brasil foi anunciado como sede das Olimpíadas, a Embratur e o Ministério do Turismo desenvolvem estratégias voltadas para promover o Brasil como sede dos grandes eventos esportivos e atrair ainda mais turistas estrangeiros. Com a Rio 2016, pretendemos aumentar o fluxo de turistas nacionais e bater os recordes com visitantes internacionais. Em feiras, campanhas e ações de promoção do Brasil no exterior, o Instituto se dedica a divulgar diversos destinos e produtos para que os visitantes desfrutarem os cartões postais cariocas e também conheçam outras cidades brasileiras.

De que forma a Rio 2016 vai contribuir para o legado do Brasil?

Todas as iniciativas realizadas buscam contribuir para o legado que ficará para as próximas gerações: a imagem do Brasil consolidada como uma nação pronta para ser uma das cinco maiores economias do planeta. Assim como na Copa do Mundo, realizada em 2014, os dois efeitos principais para o turismo foram os avanços em infraestrutura e a grande exposição de imagem no mundo, por um longo período de tempo. Em relação à infraestrutura, várias obras realizadas para os eventos são fundamentaIS para melhorar o receptivo turístico no país – principalmente na área de aeroportos, mobilidade urbana, sinalização turística e qualificação de pessoal. Para os brasileiros, o ganho é incalculável.

Há uma preocupação mundial com a manifestação do zika em países da América. Que medidas o Brasil adotou para minimizar os riscos de contaminação durante a Olimpíada?

O vírus zika é um problema de saúde pública mundial. O Brasil está integralmente empenhado no enfrentamento ao Aedes aegypti, transmissor da da doença. O governo brasileiro montou uma força-tarefa sem precedentes, com recursos financeiros, tecnológicos e científicos para prevenção e combate do agente em curto, médio e longo prazos. O orçamento destinado será de R$ 1,87 bilhão em 2016. Além disso, estamos coordenando esforço internacional para a produção de uma vacina. Para turistas e viajantes que se destinam a regiões afetadas pelo zika, precauções básicas devem ser tomadas. A Organização Mundial da Saúde e a Organização Mundial do Turismo não recomendam restrições de viagem, além da recomendação para que mulheres grávidas evitem viagens para estas regiões.

A Olimpíada e Paralimpíada Rio 2016 se realizarão com total atenção à saúde dos participantes da maior festa do esporte mundial. Estamos trabalhando para que os Jogos transcorram com segurança e tranquilidade, seja para atletas, equipes técnicas ou turistas. As medidas tomadas pelo Comitê Rio 2016, combinadas à mobilização nacional, assegurarão o eficaz combate ao Aedes aegypti no Rio de Janeiro, sede da competição, e em todo o País. Outro ponto é que o período de realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, durante o inverno brasileiro, é historicamente de baixo volume de chuvas e, portanto, de menor incidência dos vetores da doença.

Na íntegra: 

   

Voltar ao topo