Embratur

Gilson Machado Neto participa da abertura do 5º Fórum Brasileiro de Turismo

por — publicado 31/08/2020 00h00,
última modificação 31/08/2020 16h39

Foto por: Divulgação

Gilson Machado Neto durante sua participação na abertura do 5º Fórum Brasileiro de Turismo

Gilson Machado Neto durante sua participação na abertura do 5º Fórum Brasileiro de Turismo

O presidente da Embratur (Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo), Gilson Machado Neto, participou, nesta segunda-feira (31/8), do 5º Fórum Brasileiro de Turismo. Realizado de forma online, o Fórum contou com mensagens do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, dos deputados federais com atuação voltada ao Turismo Herculano Passos, Newton Cardoso Jr. e Felipe Carreiras, além do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Em sua fala, durante a abertura do evento, Gilson Machado Neto exaltou o potencial brasileiro para o Turismo e disse que a Medida Provisória 907/2019, votada durante a pandemia de Coronavírus, acabou aprovada sem fonte de recursos para a Embratur, ainda que a transformação de Instituto Brasileira de Turismo para Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo tenha sido autorizada pelo Legislativo. “Conseguimos a histórica transformação da Embratur, mas infelizmente perdemos por 10 votos a nossa fonte de recursos. Agora faço um apelo aos parlamentares para que isso seja resolvido”, disse o presidente da Embratur.

Gilson Machado Neto também lembrou que durante a tramitação da MP 907 foi determinado que até seis meses após a pandemia de Coronavírus a nova Agência deve atuar exclusivamente promovendo o Turismo no mercado doméstico, o que também precisa ser revisto. “Sabemos que o turista estrangeiro se programa para viajar com 6 ou 12 meses de antecedência. Hoje estamos proibidos de atuar no exterior, o que faz com que o Brasil não esteja na prateleira”, indicou.

Como exemplo de que o investimento em Turismo deve ser prioritário, Gilson Machado Neto indicou que em 1966, quando a Embratur foi criada, o Brasil recebia 4 milhões do total de 400 milhões de turistas emitidos no mundo a cada ano. Hoje, com 1,5 bilhão de turistas emitidos anualmente, o Brasil não consegue superar a barreira dos 6 milhões de turistas recebidos ao ano. “Se tivéssemos tido um crescimento inercial deveríamos receber agora 15 milhões de turistas”, explicou.

De acordo com o presidente da Embratur, em 2019, ainda com investimento muito inferior ao necessário, a Embratur já conseguiu algumas vitórias importantes, como vencer como melhor estande da maior feira de Turismo de Londres, a WTM. Também teve aumento de turistas recebidos de todas as nacionalidades, e só não foi rompida a barreira de sete milhões de turistas recebidos por conta da crise política e econômica vivida na Argentina, o maior emissor de viajantes ao Brasil.

Sobre a pandemia, Gilson Machado Neto ressaltou que “é chover no molhado falar das dificuldades para o Turismo neste ano”, mas ressaltou especialmente que o interior do Brasil sofreu muito. “O Nordeste teve prejuízo de mais de R$ 1 bilhão por conta do cancelamento das festas de São João. Não tivemos a festa do peão de Barretos também”, disse.

Como uma mensagem positiva, Gilson indicou que o governo federal segue trabalhando para colocar o Brasil na prateleira do Turismo e que a Embratur fará campanhas agora, para a retomada, que deixem claro que ser brasileiro é viver onde o mundo sonha em tirar férias. “O Brasil vai deixar de ser o país do futuro porque o futuro chegou agora”.

Em tributo e reconhecimento pela sua contribuição ao desenvolvimento e crescimento do setor do turismo, Gilson Machado Neto recebeu a homenagem “Honra ao Mérito do Turismo”, concedida pela Universidade Corporativa GCSM e pelo Global Concil of Sales Marketing. O certificado entregue contém também assinatura dos organizadores do 5º Fórum Brasileiro de Turismo.

Voltar ao topo