Embratur

Embratur aposta em bons resultados na WTM Londres

por — publicado 10/11/2017 00h00,
última modificação 10/11/2017 11h59

Foto por: Embratur

CEO do Visit Britain, Sally Balcombe, e presidente da Embratur, Vinicius Lummertz, se reúnem em Londres

CEO do Visit Britain, Sally Balcombe, e presidente da Embratur, Vinicius Lummertz, se reúnem em Londres

Instituto acredita em retorno de investimento de negócios superior à edição anterior, gerado a partir da comercialização das empresas participantes

A Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), as empresas e os destinos que participaram da maior feira de turismo do mundo, a WTM, deixam Londres, onde aconteceu o evento entre 6 e 8 de novembro, com a sensação de dever cumprido. Um balanço dos negócios que podem ter sido gerados será feito nos próximos dias, mas nas primeiras conversas entre técnicos do Instituto e os 44 participantes aposta-se num provável crescimento de 15% no volume de negócios.

No ano passado, foram movimentados US$ 8,5 milhões e o retorno do investimento (ROI) foi de 18,5 vezes. O volume total deste ano poder chegar a US$ 9,8 milhões, e o retorno do investimento também deverá ser maior.

O presidente da Embratur, Vinicius Lummertz, acredita que ainda há espaço para crescer mais. "Com iniciativas como esta do calendário anual de eventos do Rio, que lançamos aqui para o mercado europeu, e a possibilidade de ocorrerem as reformas do turismo, em 2018 com certeza estaremos ainda mais fortes", resumiu Lummertz.

Com mais de 5 mil expositores e expectativa de atingir 50 mil visitantes, a WTM chegou ao final já com data marcada para 2018. O evento acontecerá no ExCel, em Londres, entre os dias 5, 6 e 7 de novembro. Em 2016, uma pesquisa feita com expositores da feira revelou que a WTM London 2016 gerou negócios que, em conjunto, chegaram a cerca de US$ 3,5 bilhões.

Benchmarking

O presidente da Embratur, Vinicius Lummertz, esteve nesta quinta-feira (09) com a CEO do Visit Britain, Sally Balcombe, para troca de experiências sobre o modelo de agência de promoção do turismo, setor que representa 10% do PIB do país. “As formas que são desenvolvidas na entidade são as mesmas que estamos buscando para o Instituto: enorme parceria com a inciativa privada, ajudando a aumentar o número de voos e juntando recursos de forma transparente, efetiva e com altos resultados. O que eles estão fazendo aqui é o que vamos fazer no Brasil”, informou Lummertz. 

Vinicius Lummertz resume o encontro neste vídeo: 

Voltar ao topo