EMBRATUR

Contagem regressiva para o turismo: faltam 200 dias para os Jogos Rio 2016

por — publicado 18/01/2016 00h00,
última modificação 18/01/2016 16h37

Embratur avança na promoção das ações que devem atrair entre 350 e 500 mil estrangeiros durante a Olimpíada

Dentro de 200 dias, o Brasil sediará a primeira Olimpíada da América do Sul, o que representa uma importância histórica para o continente e para o movimento olímpico. Desde que foi anunciado como sede, a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) desenvolve estratégias de atuação em ações voltadas para promover o Brasil como sede dos grandes eventos esportivos e atrair turistas estrangeiros.

A estimativa é que entre 350 e 500 mil visitantes antes, durante e depois dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Segundo o presidente do Instituto, Vinícius Lummertz, os eventos internacionais realizados desde 2007, como o Pan-americano, a Rio+20, a Copa das Confederações, os Jogos Militares, a Copa do Mundo e, agora, a Olimpíada, elevaram o patamar do País a nível mundial.

“O Brasil tomou uma posição política e institucional muito forte. Com a Rio 2016, nós vamos aumentar o fluxo de turistas nacionais e bater os recordes com visitantes internacionais. Os grandes eventos são oportunidades únicas de entrada do País na grande competitividade do setor no mercado internacional”, destaca Lummertz.

Casa Brasil

O turista terá a oportunidade de conhecer a “Casa Brasil”, espaço dedicado para informações multissetoriais durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. No local, que ocupará uma área do Pier Mauá, no centro do Rio de Janeiro, o visitante também contará com dados sobre cultura, destinos e produtos turísticos brasileiros. A iniciativa é uma parceria entre a Embratur e outros órgãos do governo federal.  

Ações de promoção

Em suas feiras, campanhas e ações de promoção do Brasil no exterior, a Embratur tem se dedicado a divulgar diversos destinos e produtos turísticos nacionais, para que os visitantes estrangeiros desfrutarem os cartões postais cariocas e também conheçam outras cidades brasileiras. Somente na Copa do Mundo de 2014, o Brasil recebeu um milhão de visitantes estrangeiros que gastaram US$ 1,5 bilhão durante a competição.

No dia 05 de agosto de 2015, data que marcou um ano para a abertura da Rio 2016, a Embratur convidou oficialmente turistas de todo o mundo para virem ao Brasil acompanhar o megaevento, por meio de participação em edição especial do Today Show - um dos programas mais populares da TV norte-americana, com audiência de cinco milhões de telespectadores. A gravação, que foi ao ar nos Estados Unidos, contou com participação ao vivo do presidente do Instituto, Vinícius Lummertz. Em outubro do ano passado, o presidente Lummertz participou, junto com a presidente Dilma Rousseff, os ministros do Turismo, Henrique Alves, e do Esporte, George Hilton, e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, do lançamento do Ano Olímpico para o Turismo, um marco da preparação do setor para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

Visando posicionar o Brasil no segmento de eventos e exaltar a diversidade e capacidade para captação da Olimpíada e Paralimpíada, o portal MICE da Embratur (www.visitbrasil.com/mice) foi  reformulado. O usuário passou a contar com informações detalhadas sobre as cidades brasileiras que receberão os Jogos. Mais fácil de navegar, a plataforma oferece dados sobre eventos, centros de pesquisa relacionados, acessibilidade, infraestrutura e clima. MICE é a sigla internacional de Meetings, Incentives, Conferences, Exhibitions (Reuniões, Incentivos, Congressos e Exposições).

“Todas as nossas iniciativas buscam contribuir para o legado que ficará para as próximas gerações: a imagem do Brasil consolidada como uma nação pronta para ser uma das cinco maiores economias do planeta”, afirma Lummertz. Ainda para o 1º semestre deste ano, estão programadas press trips com foco na Rio 2016. Jornalistas dos principais veículos dos mercados prioritários da Embratur serão convidados a conhecer roteiros do entorno do Rio de Janeiro e as cidades-sede do futebol na Olimpíada.

 

Voltar ao topo