Embratur

Cinco fatos sobre a reforma da Previdência

por — publicado 06/02/2018 00h00,
última modificação 06/02/2018 14h42

Ao combater privilégios de poucos, as novas regras previdenciárias vão deixar o sistema mais igualitário e justo para todos

Por meio da adoção de uma idade mínima e da regra de transição, o Governo do Brasil quer garantir o pagamento das aposentadorias nos próximos anos. Confira abaixo cinco fatos sobre a reforma da Previdência que vão garantir que isso aconteça.

Garantia de direitos

A reforma da Previdência protege quem mais precisa e garante uma aposentadoria mais justa para todos os brasileiros. As regras atuais, com o pagamento de altas aposentadorias para políticos e para o alto funcionalismo público, criam uma classe de privilegiados que se aposentam cedo e com valores que deixam as contas públicas no vermelho. Para acabar com essa desigualdade, a reforma da Previdência vai promover um sistema mais equilibrado e sustentável.

Direitos serão preservados

Apesar da mudança nas regras da Previdência, a reforma não muda nada para quem já está aposentado ou já pode se aposentar. Nada muda para os trabalhadores rurais e os que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Todos iguais

Um dos principais fatores da distorção da Previdência Social é a diferença gigante entre as regras para políticos e servidores públicos e o restante da população. No alto funcionalismo público, servidores podem se aposentar com seu mais alto salário – o que, às vezes, ultrapassa a casa dos R$ 25 mil – e mais cedo que o restante dos trabalhadores. A reforma muda isso: todos seguirão regras semelhantes, respeitando o teto constitucional de R$ 5,5 mil seguido pela maior parcela dos brasileiros.

Justiça para quem precisa

Mesmo com todas essas mudanças, pouco vai mudar para a maioria dos trabalhadores. Isso porque apenas os mais ricos serão afetados pela reforma, o que responde a cerca de 30% da população brasileira.

Os outros 70% poderão ficar tranquilos: eliminando o pagamento de altas aposentadorias para políticos e o alto funcionalismo público, será possível equilibrar o sistema previdenciário e garantir as aposentadorias e pensões do futuro.

Sem reforma, sem investimentos

A cada ano, os gastos da União, dos estados e dos municípios crescem exponencialmente. Vai ser difícil sustentar essas despesas no futuro, sendo que estados como o Rio de Janeiro já viveram isso na pele neste ano.

Se o sistema não estiver equilibrado, o governo precisará usar recursos de áreas como saúde e educação apenas para que as pessoas recebam as aposentadorias e pensões.

Reforma vai ajudar Brasil a crescer

Além de assegurar que os brasileiros recebam aposentadoria no futuro, a reforma da Previdência é essencial para conter os gastos públicos, permitir investimentos e garantir que a economia brasileira cresça sem problemas.

Sem ela, os investimentos governamentais vão desaparecer, os investidores não terão confiança para colocar seus recursos no País e o cenário de recessão voltará: menos riqueza e desenvolvimento no Brasil.

MATÉRIA ORIGINALMENTE PUBLICADA NO PORTAL DO GOVERNO FEDERAL. CONFIRA: http://bit.ly/2jYuEKZ

Voltar ao topo