Embratur

Furando a bolha pelo turismo

por — publicado 19/03/2018 00h00,
última modificação 19/03/2018 15h29

Ontem, a Folha abriu por meio do seminário "Turismo e a internacionalização do Brasil" o debate sobre o que o turismo pode fazer pelo Brasil. Temos o maior potencial natural entre 140 países e o oitavo potencial cultural do planeta, segundo o Fórum Econômico Mundial, mas somos o 137º pior ambiente de negócios para desenvolver o turismo.

É importante ler os sinais. Enquanto o editorial "Sete anos perdidos", publicado recentemente na Folha, comemorou a retomada do crescimento do PIB, que deverá passar de 3% em 2018 no Brasil, alertou também para a comparação do crescimento econômico nos últimos sete anos: nos emergentes chegou a 40,5%, no mundo inteiro foi a 27,9% e no Brasil de apenas 3,2%.

Mônica Bergamo registrou em sua coluna que janeiro foi o mês em que o turista estrangeiro mais gastou no Brasil, à exceção de junho de 2014, durante a Copa do Mundo. Perto de U$ 800 milhões foram deixados aqui, segundo o Banco Central. Na sequência, um comentário embasado na OMT agrega que o sistema de visto eletrônico do MRE para Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália pode aumentar em US$ 1,4 bi o fluxo de turistas destes países.

O editorial sustenta que o Brasil precisa crescer de 3 a 3,5% por duas décadas para dar um salto civilizatório e chegar à renda per capita de Portugal e Espanha. Vale lembrar que Portugal saiu da crise graças ao turismo e que seu crescimento de 4% no ano passado teria sido negativo em 1% se não fosse o turismo.

Estamos diante do fim da Nova República e do ideário constitucional de 1988 que nos legou um país travado, sem um capitalismo pujante que pudesse pagar a conta. Sem poupança, temos o consumo mais caro do mundo. Nosso pacto envolve muito imposto e juros inexplicáveis. Nosso capitalismo de exceção vive numa bolha.

O ar contaminado da bolha alimenta as desigualdades. O crime organizado é seu filho caçula.

A abertura para o mundo não deve ser apenas econômica. Também estamos fechados culturalmente. Não somos mais um país de imigrantes, de muitas línguas de um século atrás. Viramos um país xenófobo, repetitivo, de gente que joga pedra em avião através das redes sociais. Como revoltados, vivendo o personagem de Jim Carrey no filme o Show de Truman.

Furar a bolha, internacionalizar o Brasil, inclui abrir a porta do turismo, das viagens, dos congressos, dos eventos. O Turismo já representa 10,2 % do PIB mundial e mais de 10% dos empregos. O mundo inteiro compreendeu o sentido do turismo, da conectividade aérea, da geração dos empregos, do fomento as artes, das culturas, da melhoria das cidades, mas sobretudo das pessoas, ideias e inovações.

Assim como ao Agrobusiness foi dada uma chance de fazer mais pelo país, o turismo está pedindo passagem. Ninguém tem o que nós temos. O desafio é furar a bolha desse nosso mundo de Truman.

Vinicius Lummertz é cientista político e presidente da Embratur

ARTIGO PUBLICADO ORIGINALMENTE NA FOLHA DE S.PAULO: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2018/03/vinicius-lummertz-furando-a-bolha-pelo-turismo.shtml

Voltar ao topo