Destaque

  • Embratur intensifica ações na Itália

    Embratur intensifica ações na Itália

    Ações em parceria com operadoras italianas visa capacitar agentes de viagem sobre o destino Brasil. LGBT, Sol e Praia, Ecoturismo e Cultura estão no foco da promoção                                                                                    A Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), em parceria com operadoras italianas, continua divulgando o destino Brasil na Itália. Após workshop com a operadora TWIZZ BY TAU no dia 19 de setembro, agora será realizado um roadshow em parceria com a Travelândia. As ações acontecem nas cidades de Torino (30/09), Brescia (01/10) e Padova (02/10). No total, em torno de 120 agentes de viagem serão capacitados sobre como vender produtos e destinos do Brasil. A capacitação tem como foco os segmentos mais solicitados pelos italianos, como  Sol e Praia, Ecoturismo e Cultural. No último dia 18 foi realizado um workshop em Milão focado no segmento LGBT. “Mesmo com a crise que atingiu a Europa, a Itália continua sendo um mercado emissivo muito importante para o Brasil e está entre os 10 países que mais enviam turistas pra cá. Temos que apostar em ações de incremento nas vendas do produto Brasil no mercado europeu, os operadores e agentes de viagem italianos estão muito interessados em diversificar o Brasil”, afirmou Bruno Reis, coordenador geral do mercado europeu da Embratur. A Embratur, por meio da Diretoria de Mercados Internacionais, trabalha focada no relacionamento e aproximação com a cadeia produtiva de turismo, incluindo operadores, agentes de viagem e companhias aéreas. Dessa forma, apoia a comercialização dos destinos consolidados e a ampliação de novos destinos; a capacitação de agentes de viagem e a otimização de oportunidades de promoção e divulgação do Brasil. A Itália é o sétimo país que mais envia turistas para o Brasil, tendo registrado a entrada de 233.243 italianos no país em 2013. Vinte e sete voos semanais conectam o Brasil à Itália, partindo de Roma e Milão e chegando a São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza. Os voos são operados pelas companhias aéreas TAM Airlines, Air Italy e Alitalia. 

  • Congresso debate gastronomia, hospitalidade e turismo

    Congresso debate gastronomia, hospitalidade e turismo

    Embratur marcará presença na abertura do XVII Congresso Internacional de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo em SPA capital paulista receberá o XVII CIHAT (Congresso Internacional de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo), nos próximos dias 29 e 30 de setembro. O evento, que reúne empresários, profissionais e estudantes da área em uma série de palestras e atividades, contará com a participação da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo).“Os temas debatidos servem para fortalecer a imagem do Brasil no exterior, com a apresentação de outros segmentos. De um milhão de turistas que vieram assistir aos jogos da Copa do Mundo no Brasil, de 203 diferentes nacionalidades, 98% aprovaram a hospitalidade e 93% gostaram da nossa culinária, segundo pesquisa do Ministério do Turismo”, destacou o diretor de Mercados Internacionais do Instituto, Gilson Lira.O congresso, que é promovido pela ABRESI (Associação Brasileira de Empresas e Entidades de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo), em parceria com a CNTur (Confederação Nacional do Turismo) debaterá temas, como “Os legados da Copa e as perspectivas de avanço no turismo receptivo nacional” e “o desenvolvimento social e econômico no foco do turismo”.Paralelo ao XVII CIHAT, acontece também o VI Fórum CNTur das Entidades Civis e Sindicais e a FISTUR 2014 – Feira de Produtos e Serviços de Gastronomia, Hospedagem e Turismo. Os eventos acontecem no Palácio das Convenções do Anhembi. 

  • Cidades Patrimônio no roteiro

    Cidades Patrimônio no roteiro

    Embratur promove, na próxima semana, uma press trip com jornalistas da Argentina, do Chile e do Peru para divulgar três cidades tombadas pela UnescoCom foco no segmento de cultura, a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) irá promover a press trip “Cidades Patrimônio” em Brasília (DF), na Cidade de Goiás (GO) e no Rio de Janeiro (RJ), entre os dias 29 de setembro e 5 de outubro, com jornalistas da Argentina, do Chile e do Peru. Para a Embratur, os três mercados são considerados de alta prioridade na promoção do Brasil como destino turístico.De acordo com o diretor de Marketing do Instituto, Sérgio Flores, a ação fortalece a imagem do Brasil como destino turístico. “O Projeto de Promoção Turística das Cidades Patrimônio Cultural, lançado pela Embratur em 2013, estimula a mídia internacional a gerar coberturas relevantes, com matérias espontâneas e positivas sobre o País. Com grande credibilidade junto ao público final, a geração de conteúdo em espaços editoriais da mídia é considerada uma forma eficaz de promoção”, destacou o diretor.Além de três jornalistas, o grupo da press trip será integrado por um fotógrafo e um acompanhante. Com visitas a atrativos que integram patrimônios histórico, cultural e natural, a ação será iniciada em Brasília, seguirá para Cidade de Goiás e, por fim, para o Rio de Janeiro.Entre os locais a serem visitados na capital federal, estão a Praça dos Três Poderes e a Esplanada dos Ministérios, além da Igrejinha da 308 Sul, do Santuário Dom Bosco, do Memorial JK e da Torre de TV. Na Cidade de Goiás, estão incluídos o Centro Histórico, o Museu Casa de Cora Coralina, o Museu das Bandeiras, o Palácio Conde dos Arcos, o Mercado Municipal e as Igrejas de Santa Bárbara, São Francisco e Nossa Senhora do Rosário, entre outros.Já no Rio de Janeiro, a press trip envolve city tour pelo centro da cidade, bairro de Santa Tereza e pelo Museu de Arte do Rio (MAR). Entre representantes do patrimônio natural, estão as visitas ao Cristo Redentor e ao Morro do Corcovado, além dos passeios ao Forte de Copacabana e às orlas de Copacabana e de Ipanema.ReconhecimentoAlém do Plano Piloto de Brasília, do Centro Histórico da Cidade de Goiás e da cidade do Rio de Janeiro, o Brasil possui outros diferentes sítios reconhecidos pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) como Patrimônio Cultural da Humanidade, como o Centro Histórico de Olinda (PE); o Centro Histórico de São Luís (MA); os Centros Históricos de Diamantina e de Ouro Preto (MG); o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas (MG); o Centro Histórico de Salvador (BA); o Parque Nacional da Serra da Capivara em São Raimundo Nonato (PI); as Ruínas Jesuítico-Guaranis de São Miguel das Missões (RS), e a Praça de São Francisco na cidade de São Cristóvão (SE).

  • Turista de negócios gasta no Brasil quatro vezes mais que os visitantes a lazer

    Turista de negócios gasta no Brasil quatro vezes mais que os visitantes a lazer

    Pesquisa revela que para 74% dos entrevistados a imagem do País é positiva e 92% elogiaram a receptividade do povo brasileiroOs turistas de Negócios e Eventos gastam em média US$ 304 por dia no Brasil, segundo a “Pesquisa de Impacto Econômico Dos Eventos Internacionais Realizados no Brasil”, feita pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) para a Embratur (Instituto Brasileiro do Turismo). Esse valor é quatro vezes maior que as despesas dos visitantes internacionais que visitam o país em viagens de Lazer, que tem um gasto diário de US$ 73,77. “Com uma permanência média de sete noites no país, a maioria dos entrevistados informou que pretende retornar ao país – 38% em no máximo dois anos. Para 74% dos entrevistados, a imagem do País é positiva e 92% elogiaram a receptividade do povo brasileiro”, destacou o presidente substituto da Embratur, Walter Ferreira.A pesquisa foi realizada em 16 eventos internacionais realizados nas cinco regiões do País, entre os meses de março e agosto deste ano, e ouviu 1.659 participantes. O estudo mostra que as cidades mais visitadas por turistas estrangeiros de Negócios e Eventos são: Rio de Janeiro (33,2%), São Paulo (16,7%), Foz do Iguaçu (6%), Manaus (6%), Belém (4,5%), Salvador (4,4%). Dos entrevistados, 67,6% estiveram no Brasil pela primeira vez e 60% dos que já visitaram o País estiveram aqui por motivo de Negócios e Eventos. As cidades mais visitadas na viagem anterior foram Rio de Janeiro (27%), São Paulo (22,1%), Florianópolis (4,9%), Salvador (4,6%) e Foz do Iguaçu (3,6%). “Vale ressaltar que 87,7% dos turistas visitaram a cidade de realização do evento pela primeira vez”, disse FerreiraPerguntados sobre a cidade sede do evento, 74% dos entrevistados disseram que a imagem é positiva. Entre os que planejam ficar na cidade do evento, a permanência média é de 3 dias. Sobre a receptividade dos atendentes locais e das pessoas, 92% avaliaram como boa ou regular.A organização da viagem também foi tema do estudo, que mostrou que para 64,6% dos entrevistados, o fato do evento ter sido realizado no Brasil influenciou positivamente a decisão de participar. A maior parte dos entrevistados (52%) tem a viagem organizada por eles mesmos. Ao todo, 45% dos participantes buscaram a organização do evento no Brasil para colher informações sobre serviços e produtos turísticos, enquanto 20% procuraram a internet.“Os participantes com nível superior correspondem a 97,3% do total, e 39% têm renda acima de US$ 4 mil, ou seja, um público formador de opinião, com alto poder aquisitivo e capaz de levar ao seu país boas informações sobre o Brasil e que terá condições de retornar para conhecer outros destinos turísticos com seus familiares”, comentou Walter Ferreira.Ainda de acordo com ele, os resultados mostram a importância que o segmento tem para o turismo e como ele deve ser priorizado nas políticas de promoção turística do Brasil no mercado internacional. Para ele, os grandes eventos esportivos realizados confirmam de vez a vocação do País como um grande realizador de eventos estrangeiros. “Em dez anos, os congressos e convenções de negócios realizados no Brasil registraram um aumento de 408%. Conforme os dados divulgados em maio pela ICCA (Internacional Congress and Convention Association), entre 2003 e 2013, o total de eventos passou de 62 para 315. No mesmo período, o número de cidades que sediaram esse tipo de evento subiu 145%, passando de 22 para 54. O ranking divulgado mostra que o Brasil permaneceu entre os dez países que mais recebem congressos e convenções associativas, liderado pelos Estados Unidos”, finalizou.Confira os dados consolidados da pesquisa:PESQUISA DE IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASILEmbratur e FGV (Fundação Getúlio Vargas)- 16 eventos nas 5 regiões do País, com 1.659 entrevistados.Informações sobre a viagem- 67,6% primeira vez que visita o Brasil;- 59,8% dos que já visitaram o Brasil estiveram por País por motivo de Negócios e Eventos;- As cidades mais visitadas na viagem anterior foram: Rio de Janeiro (27%), São Paulo (22,1%), Florianópolis (4,9%), Salvador (4,6%) e Foz do Iguaçu (3,6%);- 87,7% visitaram a cidade de realização do evento pela primeira vez;- 60,9% utilizaram o taxi como meio de transporte do aeroporto para o meio de hospedagem;- 88,2% hospedaram-se em hotel;- 51,2% acharam o custo da hospedagem regular e 33,7%, alto;- 54% visitaram o País sozinho.Avaliação sobre a cidade sede do evento- Para 73,9% dos entrevistados a imagem é positiva;- Tempo de permanência médio no período total da viagem no Brasil: 7 pernoites;- Os que pretendem permanecer mais dias em outras cidades no Brasil ficam em média 5 pernoites a mais;- Os que pretendem permanecer mais dias na cidade sede do evento ficam em média 3 pernoites a mais;- As cidades mais visitadas são: Rio de Janeiro (33,2%), São Paulo (16,7%), Foz do Iguaçu (6%), Manaus (6%), Belém (4,5%), Salvador (4,4%);- A grande maioria dos entrevistados pretende retornar ao Brasil: 92%;- 38,2% pretendem retornar em até 2 anos;- 92% avaliaram a receptividade dos atendentes locais e das pessoas como muito boa ou regular.Organização da viagem- Para 64,6% dos entrevistados, o fato do evento ter sido realizado no Brasil influenciou positivamente a decisão de participar do evento;- A maior parte dos entrevistados tem a viagem organizada por eles mesmos: 52%;- 44,9% dos participantes buscaram a organização do evento no Brasil para colher informações sobre serviços/produtos turísticos, enquanto 20% buscaram a internet;- Onde buscou informações sobre o Brasil? 61,6% responderam que foram sites de destinos, 22,1% guias de viagem e 19,8% o Trip Advisor.Perfil dos turistas- 20,5% América do Norte;- 15,7% América do Sul;- 19,4% América Latina;- 58% homens;- 42% mulheres;- 57,4% casados;- 36,2% solteiros;- 25 e 44 anos correspondem a 55%;- 97,3% têm nível superior;- 39 % têm renda acima de US$ 4.000;- Gastos de Viagem: US$ 304,57 USD, 316% a mais que a média de gastos de um turista a lazer (US$ 73,77);- US$ 2.122,86 - Gasto médio no total da viagem, por pessoa, considerando a permanência média de 7 pernoites no Brasil;- Valor estimado de gasto realizado por esse total de visitantes internacionais nos 16 eventos, com 3.913 participantes: US$ 8.306.751,18. 

  • Modelo de promoção turística é discutido na ABAV

    Modelo de promoção turística é discutido na ABAV

    Cerca de 80 representantes de entidades do turismo estiveram presentes em encontro promovido pela Embratur e pelo Ministério do Turismo para discutir modelo de gestão do Instituto Hoje, (25), o dia começou na ABAV - Feira das Américas - com um seminário que discutiu o Modelo de Gestão em Promoção Internacional de ONTs (Organizações Nacionais de Turismo). O ministro do Turismo, Vinicius Lages deu boas-vindas aos convidados e falou sobre a importância da discussão. “Chegou o momento de avançarmos definitivamente na questão de um novo modelo de promoção turística para Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) e por isso, aproveitamos o evento para aprofundarmos esse debate”, disse.O presidente substituto da Embratur, Walter Ferreira, ressaltou que com os últimos grandes eventos captados pelo País e com os que virão nos próximos anos, o governo tem entendido cada vez mais a importância do turismo. “Com isso, estamos avançando na discussão sobre essa mudança extremamente necessária. Hoje, com tantas oportunidades no País, o modelo autárquico dificulta e atrasa o processo no momento de fecharmos novas parcerias e promoções conjuntas”, explicou.“Com o modelo atual, nos sentimos engessados e enfrentamos dificuldades que não cabem mais no trabalho de promoção do Brasil como destino turístico”, disse ele. “Queremos inovar, mas o atual formato nos impede muitas vezes de colocarmos nossas ideias em prática. A mudança virá para maximizar todo trabalho que é feito pela Embratur”, completou.A reunião contou com a presença de três ex-presidentes da Embratur, Eduardo Sanovicz, Jeanine Pires e Mário Moisés, além de entidades brasileiras e representantes de três organizações internacionais de turismo: a South African Turism, a Atout France e a Visit Britain, que compartilharam suas experiências e falaram sobre como funciona o modelo de promoção utilizado em cada país.“Não podemos perder a oportunidade dos grandes eventos e fazer promoção internacional como se estivéssemos no século XX. Toda ideia precisa de um tempo para ser amadurecida. Chegou o tempo de maturação para essa mudança na Embratur”, disse Sanovicz.Jeanine Pires falou de dificuldades legais e objetivas enfrentadas no trabalho de promoção do Brasil. “Passou da hora de mudarmos o modelo do Instituto, pois assim torna-se impossível promover o País e posso dizer isso porque vi de perto que os problemas burocráticos nos impedem de avançar”. A ex-presidente saudou Walter Ferreira e Kátia Bitencourt, chefe de gabinete da Embratur, de terem dado continuidade à discussão nos últimos anos.Mário Moisés também lembrou um pouco de sua gestão e dos entraves para promoção turística internacional. “É uma mudança que tem caráter de urgência. Por causa de um modelo atrasado, até o processo dos EBTs (Escritórios Brasileiros de Turismo) foi prejudicado”, lembrou.O ministro Vinicius Lages finalizou dizendo que a decisão política já existe e que a mudança na questão do novo modelo a ser apresentado pela Embratur está próximo a acontecer. “Foram dados os encaminhamentos necessários e a conversa está avançada. O próximo importante passo está relacionado aos instrumentos legais e jurídicos a serem aplicados”, disse.   

  • Novos negócios para o Brasil no Japão

    Novos negócios para o Brasil no Japão

    Embratur apresenta destinos turísticos do Brasil e de países sul-americanos na feira JATA 2014Os países que compõem o bloco do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela) serão apresentados em um estande promovido pelo Brasil, por meio da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) na JATA Tourism Expo Japan 2014, maior feira de turismo do Japão, que começa amanhã (25) e vai até o dia 28 de setembro, em Tóquio.“Realizado anualmente, o evento tem duração de quatro dias, permitindo o encontro entre profissionais da indústria turística e viabilizando aos expositores a ampliação da possibilidade de realização de novos negócios e o estabelecimento de relações comerciais”, explicou o coordenador de Mercados Internacionais da Embratur, Alexandre Nakagawa.Além da participação dos países do Mercosul na programação, a Embratur realizará uma rodada de negócios entre operadoras brasileiras e agentes de viagem do mercado japonês. O estande do Instituto terá como coexpositores os estados de Mato Grosso do Sul e Amazonas, e a cidade de Foz do Iguaçu, além de empresas privadas.No ano de 2013, de acordo com a organização do evento, houve a participação de 1.353 expositores de 154 países e regiões na feira, incluindo órgãos oficiais de turismo de todo o mundo, companhias aéreas, operadores, dentre outros agentes do setor, congregando 131.058 visitantes. Para este ano, são esperados 150 mil visitantes.Mercado japonêsEm 2012, o Japão enviou 73 mil visitantes ao Brasil. Já em 2013, mais de 87 mil turistas japoneses estiveram no País, gerando um aumento de 19,32% na emissão. O país é o 15º maior emissor de turistas ao Brasil e o que teve o terceiro maior crescimento relativo entre os anos de 2012 e 2013.Lá, são as agências de viagem que definem o formato dos pacotes internacionais em catálogos, diferente dos outros países que contam com as operadoras de turismo para esse tipo de serviço. “Por isso, a rodada de negócios será realizada entre os agentes japoneses e as operadoras brasileiras”, destacou o coordenador da Embratur.“O Japão está na lista de países prioritários para o Instituto, pois tem aumentado seu emissivo de turistas para o Brasil. Desse modo, é de grande importância a continuidade das ações nesse mercado”, ressaltou Alexandre Nakagawa.A JATA (Japan Association of Travel Agents) é composta por operadoras de turismo e agências de viagens, e conta com 1.117 associados.  

    • Clipping

      PORTUGAL DIGITAL - Congresso em São Paulo debate gastronomia, hospitalidade e turismoO evento, que reúne segunda e terça-feira empresários, profissionais e estudantes da área em uma série de palestras e atividades, contará com a participação da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo).São Paulo - A capital paulista receberá o XVII CIHAT (Congresso Internacional de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo), nos próximos dias 29 e 30 de setembro. O evento, que reúne empresários, profissionais e estudantes da área em uma série de palestras e atividades, contará com a participação da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo)."Os temas debatidos servem para fortalecer a imagem do Brasil no exterior, com a apresentação de outros segmentos. De um milhão de turistas que vieram assistir aos jogos da Copa do Mundo no Brasil, de 203 diferentes nacionalidades, 98% aprovaram a hospitalidade e 93% gostaram da nossa culinária, segundo pesquisa do Ministério do Turismo", destacou o diretor de Mercados Internacionais do Instituto, Gilson Lira.O congresso, que é promovido pela ABRESI (Associação Brasileira de Empresas e Entidades de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo), em parceria com a CNTur (Confederação Nacional do Turismo), debaterá temas, como "Os legados da Copa e as perspectivas de avanço no turismo receptivo nacional" e "o desenvolvimento social e econômico no foco do turismo".Paralelo ao XVII CIHAT, acontece também o VI Fórum CNTur das Entidades Civis e Sindicais e a FISTUR 2014 – Feira de Produtos e Serviços de Gastronomia, Hospedagem e Turismo. Os eventos acontecem no Palácio das Convenções do Anhembi. Saiba mais: http://bit.ly/1xtSWOt

    • Notícias Embratur intensifica ações na Itália

      Ações em parceria com operadoras italianas visa capacitar agentes de viagem sobre o destino Brasil. LGBT, Sol e Praia, Ecoturismo e Cultura estão no foco da promoção                                                                                    A Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), em parceria com operadoras italianas, continua divulgando o destino Brasil na Itália. Após workshop com a operadora TWIZZ BY TAU no dia 19 de setembro, agora será realizado um roadshow em parceria com a Travelândia. As ações acontecem nas cidades de Torino (30/09), Brescia (01/10) e Padova (02/10). No total, em torno de 120 agentes de viagem serão capacitados sobre como vender produtos e destinos do Brasil. A capacitação tem como foco os segmentos mais solicitados pelos italianos, como  Sol e Praia, Ecoturismo e Cultural. No último dia 18 foi realizado um workshop em Milão focado no segmento LGBT. “Mesmo com a crise que atingiu a Europa, a Itália continua sendo um mercado emissivo muito importante para o Brasil e está entre os 10 países que mais enviam turistas pra cá. Temos que apostar em ações de incremento nas vendas do produto Brasil no mercado europeu, os operadores e agentes de viagem italianos estão muito interessados em diversificar o Brasil”, afirmou Bruno Reis, coordenador geral do mercado europeu da Embratur. A Embratur, por meio da Diretoria de Mercados Internacionais, trabalha focada no relacionamento e aproximação com a cadeia produtiva de turismo, incluindo operadores, agentes de viagem e companhias aéreas. Dessa forma, apoia a comercialização dos destinos consolidados e a ampliação de novos destinos; a capacitação de agentes de viagem e a otimização de oportunidades de promoção e divulgação do Brasil. A Itália é o sétimo país que mais envia turistas para o Brasil, tendo registrado a entrada de 233.243 italianos no país em 2013. Vinte e sete voos semanais conectam o Brasil à Itália, partindo de Roma e Milão e chegando a São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza. Os voos são operados pelas companhias aéreas TAM Airlines, Air Italy e Alitalia. 

    • Artigos Turismo religioso: vivenciando a fé e diferentes culturas

      Vicente Neto, presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo)Berço de três grandes religiões, Jerusalém recebe anualmente milhões de turistas internacionais, boa parte deles interessados em conhecer locais importantes para judeus, cristãos e muçulmanos. Um dos pontos turísticos mais conhecidos de Roma, a Cidade do Vaticano, centro do catolicismo, recebe mais de 10 milhões de visitantes por ano, principalmente católicos de todo o mundo. País com grande diversidade cultural, o Brasil é também um lugar com uma grande diversidade religiosa, que vai das crenças afro-brasileiras às orientais, protestantes, cristãs, evangélicas ou pentecostais.Classificado na categoria cultural, o turismo religioso movimenta mais de 60 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo estudos de especialistas e, no Brasil, em 2012, quase 4 milhões de viagens domésticas tiveram motivação religiosa. Pessoas que se deslocaram para conhecer um local sagrado, seja uma igreja, como a católica Basílica de Nossa Senhora Aparecida, em São Paulo; um templo, como o Tempo do Ecumenismo Irrestrito, ligado à LBV (Legião da Boa Vontade), em Brasília;  a Catedral da Fé, em Belo Horizonte, da Igreja Universal do Reino de Deus; a Mesquita Al-Khatab, terceiro ponto turístico mais procurado de Foz do Iguaçu (PR), visitada não só por muçulmanos; ou o Memorial Chico Xavier, em Uberaba (MG), para os espíritas, cuja construção deve ser concluída em 2015.Independente da definição de turismo religioso, sobre a qual há divergências teóricas, esse é um segmento que movimenta a economia e faz circular a renda, seja no deslocamento de brasileiros seja no de visitantes de outros países, que vêm ao Brasil conhecer locais considerados sagrados. As pessoas que vão para essas localidades precisam de hospedagem (simples ou mais sofisticadas), vão a restaurantes e lanchonetes para se alimentar, consomem artesanato e outros produtos. Anualmente, segundo dados da World Religious Travel Association, o segmento de turismo religioso movimenta US$ 18 bilhões e atrai cerca de 300 milhões de pessoas em todo o mundo.A pessoa que, pela fé ou outro motivo, visita um santuário vivencia uma realidade, uma experiência ligada ao local e, ao mesmo tempo, consome produtos e serviços. Mas há ainda o acesso ao turismo artístico, arquitetônico e gastronômico. E, com isso, o turismo religioso é também um indutor do lançamento de cidades como uma área de visitação, melhorando a qualidade de vida da própria localidade e sua população, quando planejado e estruturado de maneira adequada. É o caso, por exemplo, da região onde viveu Irmã Dulce na Bahia, canonizada em 2011 pela Igreja Católica, ou do Templo de Salomão, no bairro do Brás em São Paulo, onde fica a sede mundial da Igreja Universal do Reino de Deus.Conhecer as manifestações religiosas de um povo é conhecer também um pouco mais de sua cultura. Durante a Copa Mundo de 2014, no Brasil, grupos de missionários evangélicos de diversas nacionalidades convidaram turistas a participarem de cultos trilíngues e demais atividades religiosas realizadas nas igrejas evangélicas locais. Em algumas cidades-sede, como Brasília e São Paulo, igrejas católicas celebraram missas em quatro idiomas: inglês, espanhol, francês e italiano. Os visitantes de origem muçulmana, por sua vez, tiveram acesso a um guia eletrônico em inglês com diversas informações, entre elas a indicação da direção da cidade sagrada de Meca nas cidades-sede.Levantamento realizado pelo Ministério do Turismo em 2011 mostra que o Brasil tem 96 destinos religiosos distribuídos por 344 cidades. Em outubro, dois grandes eventos religiosos da Igreja Católica irão movimentar milhares de fiéis. Mais de 200 mil pessoas são esperadas, nos dias 11 e 12, em Aparecida do Norte, cidade em São Paulo, que recebe, anualmente, mais de 10 milhões de visitantes. No mesmo final de semana, o Círio de Nazaré em Belém (PA), deverá contar com a participação de 2 milhões de pessoas, incluindo uma romaria fluvial no dia 11. Em 2013, segundo dados do governo do Pará, o Círio gerou uma renda de aproximadamente US$ 28 milhões para a economia do Estado.Atividades socioeconômicas relacionadas ao turismo religiosoAgências de viagens de turismo religiosoAgências de viagens em geralTransporte aéreo e rodoviárioSistemas de hospedagem, incluindo casas de aluguel para temporadaArtesanato de artigos religiososIndústria de itens religiososComércio local em geral, incluindo serviço de alimentaçãoServiços de apoio (aluguel de carros, diversão etc)Fonte: SILVEIRA, Emerson, Turismo Religioso no Brasil, in Turismo em Análise, vol. 18,  maio/2007Acesse o link e leia o artigo publicado originalmente no portal do The Huffington Post: http://www.huffingtonpost.co.uk/vicente-neto/religious-tourism-experie_b_5802680.html  

Vídeos

Entrevista Walter Ferreira para a revista Mercado e Eventos